HBA Residential em Londres

 HBA Residential

Hirsch Bedner Associates – HBA Residential, empresa de design residencial de altíssima qualidade, estabelecida em Singapura expande-se e inaugura seu segundo escritório internacional. O novo studio está estrategicamente localizado em Londres para atender às demandas de toda a Europa. A HBA Residential oferece a seus clientes uma combinação excepcional de boutique residencial com design conceitual, em moradias requintadas, edifícios de luxo e coberturas de alto padrão.

Seu diretor global Chris Godfrey supervisiona todos os projetos e operações de arquitetura e design de interiores, cultivando sua abordagem de design holístico. “Nossa clientela internacional é exigente e rica em experiências. Suas casas servem como um reflexo da jornada de suas vidas, um verdadeiro santuário com belas histórias para contar”,  afirma Godfrey. Confira abaixo, alguns de seus projetos:

 HBA Residential

 HBA Residential

 HBA Residential

 HBA Residential

 HBA Residential

 HBA Residential

 HBA Residential

 HBA Residential

HBA Residential

HBA Residential

HBA Residential

HBA Residential

HBA Residential

HBA Residential

HBA Residential

HBA Residential

Chris Godfrey Chris Godfrey

Imagens: HBA Residential

Siga-nos:

pinterest facebook1 instagram2 twitter

 

 

 

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

A empresa londrina LLI Design liderada pela designer Linda Levene, reformou recentemente uma casa de 7 andares em Highgate Hill, área arborizada e muito desejável de Londres. A residência rendeu ao escritório de arquitetura o prestigiado prêmio de Design de Interiores: UK Property Awards 2017/18 in association with Bentley Motors.

Os proprietários ambicionavam uma casa contemporânea, embora receassem que essa pudesse ficar fria e impessoal. A chave para o sucesso foi repensar a dinâmica e alterar os layouts de todos os espaços.

Com aproximadamente 350 metros quadrados, distribuídos em sete andares, a casa era vertical demais! Para mim é impossível imaginar que uma casa com sete pavimentos possa ser funcional. Uma escadaria central unia todos os andares. Os quartos pareciam desconectados um do outro, a iluminação era ineficiente e os ambientes sombrios. LLI Design aceitou o desafio e converteu os antigos e inóspitos espaços em ambientes coloridos, acolhedores e harmoniosos.

A família dispunha de uma grande coleção de pôsteres vintage e gostaria que eles ocupassem um lugar de destaque na residência. Esse foi o ponto de partida que permitiu aos designers formar um pano de fundo gráfico nos ambientes.

Foram acrescentadas claraboias e janelas que vão do piso ao teto, o que melhorou muito a iluminação da residência. A cozinha existente ficava no segundo andar. Com a reformulação foi para o primeiro piso da propriedade e passou a ter acesso ao terraço e jardim por meio de portas deslizantes. Ficou leve e arejada.

O segundo andar, onde originalmente ficava a cozinha, foi destinado à sofisticada lavanderia, que ganhou marcenaria em laca branca fosca e azul noite, além de papel de parede Clouds da Cole & Son Fornasetti.

O living ficou no terceiro andar. A lareira existente foi removida e substituída por outra, feita sob medida, em Pietra Serena. As suítes dos filhos foram para o quarto andar, onde o lúdico foi incorporado aos espaços com maestria. A suíte master existente no quinto pavimento apresentava um quarto com grandes dimensões e banheiro privativo e closet muito pequenos. Foi reconfigurada, diminuindo o tamanho do quarto e aumentando significativamente o tamanho do banheiro e closet, o que proporcionou aos proprietários um ambiente mais luxuoso.

A automação residencial foi um importante elemento do projeto, particularmente por ser uma casa onde a circulação vertical em todo o edifício é constante e vários andares seriam utilizados simultaneamente. Iluminação, temperatura e som foram personalizados para cada ambiente. Alto-falantes embutidos no teto e alto-falantes externos no jardim e terraços, permitiram que diferentes músicas fossem reproduzidas em cada um dos espaços, controlados apenas por dispositivos como um iPhone ou iPad. Confira:

 

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill
Central de automação residencial

Casa em Highgate Hill

Casa em Highgate Hill

Linda Levene

Imagens: Rick Mccullagh – LLI Design

 

Siga-nos:

pinterest facebook1 instagram2

 

 

Opera: Passion, Power and Politics

Victoria and Albert Museum

 

Victoria and Albert Museum

 

Victoria and Albert Museum

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics
O Museu Victoria & Albert em colaboração com o Royal Opera House hospedou em sua nova Galeria Sainsbury uma grande e inovadora exposição: Opera: Passion, Power and Politics, que resumiu a fascinante história de quatro séculos de ópera, desde a Itália Renascentista até as  produções vanguardistas dos dias de hoje. Não foi uma exposição convencional. Um túnel do tempo com um sistema de som de última geração conduzia os visitantes à Veneza, Londres, Viena, Milão, Paris, Dresden e Leningrado, hoje São Petersburgo, cidades em que foram estreadas as óperas apresentadas na mostra.

A exposição aconteceu de 30 de setembro a 25 de fevereiro último, em Londres, e ofereceu aos visitantes uma experiência totalmente imersiva. Um verdadeiro show multimídia que apresentou figurinos, partituras, rótulos de parede, slogans, telões, obras de arte históricas, artefatos e obviamente, gloriosas árias. Um sistema de  audioguia detectava automaticamente onde o visitante se encontrava e passava a transmitir explicações, comentários e músicas referentes a esse ambiente. Por exemplo, se você se aproximasse do piano de Mozart, imediatamente, você ouviria um trecho de Le nozze di Figaro. Mágica? Não, alta tecnologia!!!

Algumas pessoas do meu convívio consideram a ópera arcaica, superada e elitista. Afirmam que eu não falo sério quando digo que gosto desse gênero de música. Não sou nenhuma grande conhecedora, mas aprecio. Para mim, a ópera é uma mistura visceral de música, drama, excessos, intensidade e arte. Para o diretor artístico da exibição Opera: Passion, Power and Politics, Robert Carsen: “A ópera é algo vivo. Sempre foi moderna. Durante séculos tem  inspirado a agitação política e as mudanças sociais. A paixão, o poder e a política, mantém a ópera atualizada.”

A exposição iniciava o seu percurso por Veneza, berço da ópera, com L’Incoronazione di Poppea, de Claudio Monteverdi, que estreou no Teatro Santi Giovanni e Paolo por ocasião do carnaval de 1643. O visitante ouve o primeiro dueto emocional de amor.

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Em Londres, enquanto os visitantes observavam uma instalação inspirada em um teatro barroco, ouviam Rinaldo, primeira ópera escrita pelo compositor alemão, naturalizado britânico, Handel.

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

 

A terceira etapa desta viagem é a Viena de Mozart. Apresentou Le Nozze di Figaro, que estreou em maio de 1786 no Burgtheater. Se você é apaixonado por Mozart, seguramente saiu da exposição com a ária  “Non so più cosa son, cosa faccio”, persistindo em seus ouvidos por algumas horas.

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

O grande destaque da exposição foi Milão. Uma maravilhosa instalação apresentava um conjunto com 150 fotografias de interiores de teatros italianos, fotografados por Matthias Schaller, ao som de Va Pensiero, da ópera Nabucco de G. Verdi.

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

 

Enfim, chegava-se à elegante e encantadora Paris. Tannhäuser de Wagner estreou sua versão francesa em 1861, na Ópera de Paris. Nas paredes pinturas de Degas, Gonzalès e Manet, retratando o hábito parisiense de frequentar óperas e concertos.

 

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics
A Box at the Theatre des Italiens, Eva Gonzalès, oil painting, 1874, France. © Musée d’Orsay.

 

Opera: Passion, Power and Politics
Edgar Degas Ballet de las monjas from Giacomo Meyerbeer’s opera, Roberto le diable.

 

Opera: Passion, Power and Politics
Ernst von Schuch van Robert Sterl Impressionisme

 

Opera: Passion, Power and Politics
Music in the Tuileries Garden, oil painting, Edouard Manet, 1861 – 62. National Gallery NG3260. © The National Gallery, London/Scala, Florence

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

No início do século XX, estreava em Dresden, na Alemanha, a ópera Salomé, de Richard Strauss. Baseada na tragédia de Oscar Wilde, a peça escandalizou toda a sociedade de Dresden. Para contextualizar Salomé, os organizadores da mostra destacaram Dresden como um mundo dos “Estudos de Freud sobre a Histeria” e da arte expressionista. Jogos de luzes lançados sobre modelos em poses provocativas em sofás de stripy, telões onde observava-se cenas de  nudismo e a performance recente de uma Salomé sangrando, acariciando eroticamente a cabeça cortada de João Batista.

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics
Nadja Michael (as Salome) in the production “Salome” at the Royal Opera House, in London. (Photo by robbie jack/Corbis via Getty Images)

 

Opera: Passion, Power and Politics
Dmitri Shostakovich

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Em Leningrado, final da exposição, outro filme é exibido em telões. Imagens de um documentário em que Dmitri Shostakovich compunha sua ópera sob o olhar vigilante e patológico de Stalin. A ópera era Lady Macbeth, apresentada pela primeira vez em 1934 e logo em seguida banida por Stalin por não condizer com os costumes vigentes e difundir ideias errôneas de como uma mulher soviética deveria se comportar. Os posters expostos representavam o modernismo soviético.

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

“Dia Internacional da Mulher” , por Mihály Biró. Enfatiza o papel das mulheres no movimento socialista. Uma mulher forte e confiante é mostrada a passos largos e segurando a bandeira vermelha do socialismo.

 

Opera: Passion, Power and Politics

Finalizada a fabulosa exposição Opera: Passion, Power and Politics, tenho certeza que grande parte dos visitantes retornaram com uma vontade muito grande de mergulhar nas profundezas da música clássica.

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Opera: Passion, Power and Politics

 

Siga-nos:
pinterest facebook1 instagram2 twitter

 

 

Lofts Royalty Mews by March & White

March & White é uma eminente casa de design localizada em Londres. Foi criada em 2010, pelos arquitetos e designers de interiores Elliot March e James White, uma dupla criativa, dedicada à elaboração e composição arquitetônica de forma inteligente, emocional e requintada. Recentemente, inauguraram um estúdio em Nova York e outro em Los Angeles, ambicionando uma carreira global.

Redefinindo estilo elegante e atemporal, March & White apresentam seu mais novo projeto em colaboração com o renomado artista Adam Dant: Royalty Mews.

Localizado no centro de Londres, em um autêntico edifício industrial, constitui um clássico do Soho Heritage. O prédio existente foi transformado pelos arquitetos, em quatro luxuosos apartamentos, com tamanhos variando entre 86 e 163 m².

Afastando-se do clichê óbvio de loft, cunharam o termo Elegance with an Edge, explorando a ideia de um lugar que muda à medida que a noite desce, uma ilusão, um deleite visual. A peça de arte escultural polida assinada por Adam Dant é imponente, intrigante e ambígua. A escada externa também faz parte da linguagem arquitetônica do Soho. Cada loft dispõe de um belo e íntimo jardim de inverno.

Para March & White estes apartamentos de luxo contemporâneo, definem a ideia de lofts boutique. Elegância e qualidade evocam a energia do rock and roll, que já é marca registrada dos projetos assinados pela dupla de arquitetos.
Confira:

Lofts Royalty Mews by March & White

Lofts Royalty Mews by March & White

 

Lofts Royalty Mews by March & White

March & White

 

 

Conheça a casa da designer Kelly Hoppen

Kelly Hoppen's House

Kelly Hoppen, uma das mais célebres designers de interiores do mundo, apresenta sua nova casa, localizada em uma área residencial, no centro de Londres.

Com cerca de 1000 m², a casa com pé direito alto, possui seis suítes, um roupeiro, uma sala de estudos e uma sala de café da manhã.
O estilo Kelly Hoppen, consagrado mundialmente, caracteriza-se pelo uso de uma paleta de cores neutras com pinceladas de cores em tons mais intensos, como o azul, laranja, rosa, cobre e níquel. A elegância atemporal e discreta de seus ambientes, concilia os princípios orientais da simplicidade com a preferência ocidental por suntuosas e luxuosas texturas e obviamente, está presente na nova morada da designer.

“Meu novo lar representa a atual fase da minha vida. Procurava algo grande, leve e luxuoso. Quando o encontrei, estava totalmente abandonado, literalmente em escombros, mas eu sabia que era algo muito especial e que seria minha casa”, afirma Kelly Hoppen, que levou um ano e meio para reformar o imóvel.

Grandes painéis de madeira e espelhos foram adicionados às impressionantes colunas preexistentes, para enquadrar o living, o que agregou monumentalidade e equilíbrio ao espaço.

Peças sob medida e mobiliário vintage, materiais nobres, flores naturais, fotografias, iluminação dramática, uma extraordinária coleção de arte e vistas fantásticas, são os destaques desta deslumbrante casa contemporânea assinada pela designer.
Confira:

 

Kelly Hoppen

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House
Elegantes portas giratórias causam um grande impacto visual.

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House
Mesa para acomodar 30 convidados.

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House
Acolhedora Sala de TV

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House
Poltrona Le Corbusier estofada em linho traz aconchego ao espaço.

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House
Kelly Hoppen adora projetar banheiros e assina várias coleções para a renomada marca australiana, Apaiser.

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House
Sala de Estudos

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen's House

 

Kelly Hoppen at home
Kelly Hoppen

Imagens: Mel Yates

 

 

Salvar

Salvar

Salvar