A Explosiva Era do Jazz

Era do Jazz

A Era do Jazz também conhecida como “The Roaring Twenties”, teve início com o término da Primeira Guerra Mundial. Este período  foi marcado por uma enorme revolução nos costumes vigentes. A ordem era mudar, subverter e criar novos conceitos.

Com o fim da guerra, jovens contestadores resolveram viver intensamente. O período foi marcado por festas embaladas pelo ritmo do Jazz, glamour, brilho, prazer, diversão, prosperidade econômica, luxo, carros velozes e , champagne.

Nas grandes metrópoles houve uma uma grande efervescência cultural. No Brasil ocorreu a Semana de Arte Moderna, também chamada de Semana de 22, que representou  uma verdadeira renovação no contexto artístico e cultural, marcando o início do Modernismo no país.

Era do Jazz

Flappers – Melindrosas:

Com o final da guerra as jovens começam a contestar os costumes vigentes.

Surgem então, as Melindrosas ou “Flappers”, jovens que passam a adotar um comportamento inaceitável para a época. São ousadas, usam maquiagem em excesso, tiram as sobrancelhas, fumam e bebem em público, isto em pleno período da Lei Seca nos EUA  e, passam a dirigir seus próprios carros. Audaciosas, desrespeitam as normas sociais e sexuais.

Os cabelos são cortados em barbearias no estilo À La Garçone. Seus vestidos ficam mais curtos e ganham miçangas e franjas para balançarem e reluzirem ao som do Jazz e Charleston. Coco Chanel, influencia estas jovens, quando reproduz em suas próprias roupas a sua personalidade, emancipando as mulheres dos fru-frus e babados.

Era do Jazz

Art Deco:
É um movimento internacional de design, meramente decorativo, que surgiu em 1925, influenciando as artes em geral. Considerado elegante, funcional e moderno, utiliza os princípios do cubismo, geometrizando tudo, edifícios, joias, esculturas, luminárias e móveis.

Tamara de Lempicka:
Foi uma grande pintora Art Deco. Desenvolveu seu próprio estilo, único e ousado, definido por muitos como “Cubismo Suave”.
Por volta de 1923 começou a expor seu trabalho em importantes galerias.
Levou uma vida boêmia, digna de uma “Flapper”.

Fim da Era do Jazz:
A Era do Jazz chega ao fim com o “crash” de 1929, quando o mercado acionário cai e o mundo mergulha em uma Grande Depressão. Não há mais espaço para frivolidades. No entanto, grande parte das mudanças impetradas pelas “Flappers”, permanecem.

A seguir, algumas imagens que ilustram este período:

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz
René Gruau

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz
Brent Heighton

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz
Mint Julep
Era do Jazz
Miles Davis by Dennis Stock

Era do Jazz

Era do Jazz
Thomas Cantrell Dugdale.

Era do Jazz

Era do Jazz
Thomas Wilker

Era do Jazz

Era do Jazz

Tempo da Delicadeza

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz
TAMARA DE LEMPICKA,
Era do Jazz
Tamara de Lempicka:
Self portrait in the green Bugatti

Detalhes Art Deco:

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz
Harold Septimus Power

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz

Era do Jazz
Nick Knight
Era do Jazz
Mads Berg

Era do Jazz

Imagens: Pinterest

Moçambique: A África que fala Português

Moçambique

Moçambique é um país localizado na Costa Oriental da África Austral. Sua capital é Maputo, cidade com aproximadamente 1.200.000 habitantes.

Moçambique

Inicialmente Moçambique pertencia a Portugal, tornando-se independente somente em 25 de junho de 1975, depois de uma guerra de libertação que durou cerca de dez anos. Após a independência, o país enfrentou uma longa guerra civil entre os anos de 1976 e 1992.

O fim desta guerra civil que durou 16 anos, as enchentes do ano 2000 e, a existência de minas terrestres não desativadas, dificultaram a reconstrução da economia de Moçambique.

A guerra deixou marcas profundas na alma moçambicana e na vegetação dizimada, mas ironicamente ajudou a preservar outras áreas do país, que permaneceram intocadas.

Moçambique possui um enorme potencial para o turismo. Com mais de dois mil quilômetros de litoral voltado para o Índico, apresenta praias paradisíacas e zonas propícias ao mergulho e pesca.

Suas deslumbrantes barreiras de coral, seus ecossistemas ricos em espécies raras, algumas das quais em vias de extinção, e um mar aberto onde são permitidos a caça submarina e a pesca desportiva, tornou-se o destino mais almejado para os amantes destes esportes.

Moçambique

Moçambique

Moçambique
Moçambique

Tempo da Delicadeza

Moçambique é conhecido como polo cultural no campo da arquitetura, música, pintura, literatura e poesia.
A delicadeza da obra de Mia Couto, na literatura Moçambicana, há muito ultrapassou as fronteiras nacionais.
Na música, a Timbila Chope (instrumento musical de percussão) foi reconhecido pela Unesco Patrimônio Mundial da Humanidade.

Moçambique
Moçambique

Igreja da Polana.
A Igreja de Santo António da Polana é um edifício emblemático de arquitetura moderna, construída em 1962 na cidade de Maputo. Foi projetada pelo arquiteto Nuno Craveiro Lopes.


Mia Couto

MAPUTO:

Oferece aos visitantes o turismo urbano. A belíssima capital de Moçambique e da Província, têm largas avenidas revestidas de acácias rubras e jacarandá, além de sol e mar nas magníficas praias da costa do Índico.

O que ver em Maputo:
Casa de Ferro: Embora o interior desse casarão não tenha nenhum atrativo para o visitante, o local merece uma visita por sua inusitada construção feita em ferro em 1892, uma obra do engenheiro francês Gustave Eiffel, o mesmo que participou da construção da Estátua da Liberdade em Nova York e da Torre Eiffel em Paris. Trazida da França, a casa chegou a ser construída para abrigar a residência do primeiro governador português de Maputo, mas que não chegou a ser usada devido ao clima quente da cidade. O prédio, todo em aço é aquecido a tempertures extremas ninguém jamais viveu nele. Av. Samora Machel (em frente ao parque Tundura) De seg. a sex. das 7h30 às 15h30. Entrada grátis.

Casa de Ferro
Casa de Ferro em Maputo.
Photo by: Eric Ferrer

Estação de Ferro:

O prédio que abriga a Estação de Ferro de Moçambique, em Maputo foi escolhido entre as mais bonitas estações de trem do mundo pela revista Travel+Leisure, de acordo com matéria divulgada no blog Moçambique para Todos.
A estação moçambicana foi inaugurada em 1910 e hoje figura na lista das mais belas do mundo ao lado da St. Pancras, em Londres; Sirkeci, em Istambul; Atocha, em Madrid; Estação Central de Antuérpia, na Bélgica; Southern Cross Station, em Melbourne; United Station, em Los Angeles; Penn Station, de Nova Iorque; Michigan Central Station, de Detroit; entre outras.

Maputo
Railway Station

Onde ficar em Maputo:

Hotel Polana: Avenida Julius Nyerere, 1380. Maputo Moçambique.

Histórico edifício totalmente remodelado, que combina a elegância e o esplendor da época colonial com o encanto da decoração africana.

Hotel Polana

Parque Nacional de Gorongosa:

Está localizado na província de Sofala, no extremo sul do grande vale de Rift da África Oriental. Está sendo restaurado e, talvez seja a maior história de restauração da vida selvagem na África, onde estão sendo reintroduzidas espécies que quase foram extintas durante a guerra civil. A Gorongosa foi cenário de sangrentas batalhas, que se arrastaram por longos 16 anos. O Parque conta com pouco mais de 4000 km², e sua fauna e flora bravia estão renascendo das cinzas.

Gorongosa

Gorongosa

gorongosa

baoba

Memória de Elefante:

Safari é sempre uma questão de sorte. Mas no Parque Nacional, muitos animais, sobretudo os elefantes, quase não aparecem, são ainda tímidos: “Os elefantes de cá ainda têm um bocado de trauma por causa do passado que tiveram, eles sempre assistiram os outros elefantes serem atacados. Então sempre que vêem a presença de um carro, é uma ameaça para eles.” queixa-se Moutinho, o guia do parque. Até hoje, diz,  os elefantes atacam os carros: “Agora já estão a tentar habituar-se um bocado, tentam ficar um pouco mais relaxados. Mas nem todos.”
Os elefantes podem viver até 70 anos, mas sua memória é eterna: os da Gorongosa sabem bem o que se passou quando eram mais jovens. Ainda hoje se lembram de ver as suas mães, as suas avós e as suas irmãs serem mortas.

Safari

Safari
Safari no Parque Nacional de Gorongosa

Safari

gorongoza
Crianças da Comunidade de Vinho, uma das aldeias da zona tampão do Parque Nacional da Gorongosa, situada junto ao rio Pungué. Sem dúvida que o futuro destas crianças e o futuro do Parque estão interligados!

“O Parque Nacional da Gorongosa é a maior maravilha de Moçambique – uma África em miniatura, com um ecossistema que se parece com o protótipo divino”
The Sunday Times

Gorongosa

Elefantes

davidcrookes

Safari

Gorongoza

gorongoza

gorongoza

Visit: www.gorongosa.org

Arquipélago de Bazaruto:

O arquipélago de Bazaruto está localizado no Oceano Índico, ao longo da Costa de Moçambique. Considerado um dos mais belos arquipélagos do Continente Africano, fica a 600 km de Maputo.
Bazaruto é a maior ilha e deu o nome ao arquipélago. Tem 35 km de comprimento e 7 km de largura entre os seus pontos mais extremos, As outras ilhas são; Benguerra, Magaruque, Bangue e Santa Carolina antes conhecida como a Ilha do Paraíso.
O arquipélago, declarado Parque Nacional no ano 2000, apresenta uma grande diversidade de fauna e flora. Possui grande importância ecológica por albergar a maior população de dugongos existentes na costa do Oceano Índico.
Indiscutivelmente, um destino de rara beleza , distinguindo-se pela sua vida selvagem, águas azul-turquesa e praias idílicas. O arquipélago é merecidamente chamado de “Pérola do Oceano Índico.”

Moçambique

Bazaruto

Bazaruto
Dugongos

Mozambique

Bazaruto

Moçambique
Pôr- do- sol a bordo de um dhow.
BAZARUTO
Cathrine Wessel
Moçambique - Tempo da Delicadeza
Cathrine Wessel
Arquipélago de Bazaruto- Mozambique
Cathrine Wessel

Dunas

dunas

dunas

dunas
Dunas gigantescas

Habitam no arquipélago de Bazaruto cerca de 180 espécies de pássaros, destacando-se os exuberantes flamingos.

Bazaruto

Bazaruto

Bazaruto

Como chegar:
A viagem para o arquipélago é surpreendente e inesquecível. São vinte minutos de puro êxtase, o tempo do voo do aeroporto de Vilanculos até a Ilha de Bazaruto e permite-nos contemplar magníficas vistas. O azul-turqueza do mar e os bancos de areia branca se fundem formando desenhos abstratos capazes de nos tirar o fôlego.

Bazaruto

Bazaruto

Bazaruto

Bazaruto

Bazaruto

Bazaruto

Bazaruto

Bazaruto

Quando ir Para Bazaruto:

A melhor época para desfrutar do arquipélago de Bazaruto é em julho, quando o clima é quente e seco. Evitar a época das chuvas, entre novembro e março.

Arquipélago das Quirimbas:
Um paraíso tropical com cerca de 50 ilhas e, como todos os paraísos este também é de difícil acesso.
Suas belíssimas praias de águas cristalinas, seus exuberantes jardins de coral, suas anêmonas e peixes multicoloridos, fazem do Arquipélago o cenário ideal para o mergulho, snorkeling, ou pesca desportiva de alto- mar.
Jantares à luz de velas em baixo de baobás iluminados, tornam-se inesquecíveis.
Os lodges intimistas, fazem do arquipélago das Quirimbas, sinônimo de turismo de luxo.

Arquipelago das Quirimbas

Arquipelago das Quirimbas

Arquipelago das Quirimbas

Arquipelago das Quirimbas

Arquipelago das Quirimbas

Arquipelago das Quirimbas

Arquipelago das Quirimbas

Arquipelago das Quirimbas
davidcrookes

Arquipelago das Quirimbas

Não volte para casa sem ver as estrelas e o céu de Moçambique.

Moçambique

Moçambique

Moçambique

Moçambique

The magic of Mozambique:

Não há como falar de Moçambique, sem falar dos moçambicanos, das cores vibrantes de suas capulanas, das mulheres fortes que trabalham no campo, que pilam e, que sempre trazem seus filhos colados a si.
Sem falar da cordialidade, simpatia e hospitalidade com que recebem os forasteiros; dos sorrisos largos estampados em seus rostos apesar da difícil sobrevivência; da música, ora alegre, ora lamento; da alegria africana misturada com a melancolia herdada dos portugueses.
Dizem que Moçambique  tem uma magia que vicia e faz com que, todos aqueles que partem, anseiem fortemente por voltar.
Um ciclo sem fim!

Moçambique

Moçambique

Moçambique

Moçambique

Moçambique

Moçambique

Moçambique
davidcrookes

Moçambique

Moçambique

Moçambique

Moçambique

Moçambique

Moçambique
adriaanlouw

Moçambique

Salvar

Opulência em Beverly Hills

Tempo da Delicadeza

Sunset Residence é uma propriedade de 35.000 metros quadrados que está localizada em Beverly Hills, LA, com vista para a famosa “Sunset Boulevard”.
Projetada por Biglin Conjunto Arquitetônico foi inspirada nas mansões da Era Dourada de Newport, Rhode Island.
A arquitetura e os interiores são baseados em Louie XVI, e todas as molduras e colunas da propriedade foram projetadas usando proporções historicamente precisas. Para tanto, importaram mão de obra especializada da França, Itália e Portugal.
Recentemente, foi vendida para um casal de chineses por 49,5 milhões de dólares.
A seguir, algumas imagens desta opulenta residência:

Beverly hills

Beverly hills

Beverly hills

Beverly hills

Beverly hills

Beverly hills

Finton

Tempo da Delicadeza

Beverly hills

Finton

Beverly hills

Beverly hills

images:http://www.finton.com

Restaurante Ciel de Paris

Tempo da Delicadeza

Situado em Paris, no 56 º andar da Torre Montparnasse, e a 210 metros de altura, o Restaurante Ciel De Paris, abrange uma área de 400 metros quadrados e nos oferece uma deslumbrante vista panorâmica da Cidade-Luz.

O espaço é moderno e elegante e foi concebido pelo designer francês Noé Duchaufour Lawrence, acomodando 145 pessoas de frente para as grandes janelas e varandas, além de contar com uma sala adjacente para mais 36 pessoas.

O mobiliário em tons de âmbar, também desenhado pelo designer, e o cinza das paredes e revestimentos, harmonizam-se perfeitamente com a suave iluminação transmitida através dos espelhos circulares distribuídos no teto do restaurante, e que somando-se aos círculos do piso, e aos móveis circulares passam a sensação da efervescência de um Champagne.

O Ciel de Paris é frequentado por uma exigente clientela parisiense e por poucos turistas.

Se não quiser jantar, poderá desfrutar da Champagnerie do Restaurante que além de um ar festivo também oferece uma belíssima vista e vários coquetéis e espumantes.

O espaço contemporâneo e acolhedor traz uma magia que o torna inesquecível. E como diria Hemingway: “Paris é uma festa.”

Tempo da Delicadeza

Tempo da Delicadeza

Tempo da Delicadeza

Tempo da Delicadeza

Tempo da Delicadeza

Tempo da Delicadeza

Tempo da Delicadeza

Tempo da Delicadeza

Photos: Vincent Leroux- Temps machine