Ana Cristina Cesar

Ana Cristina Cesar é a grande homenageada da Flip 2016

Ana Cristina Cesar

Ana Cristina Cesar

 
Ana Cristina Cesar, ícone da Geração Mimeógrafo e musa da poesia marginal, (1952-83) é a autora homenageada da 14ª edição da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) 2016, que acontece de 29 de junho a 3 de julho de 2016.
Ler Ana Cristina C. é voltar no tempo e manter-se contemporânea. É redescobrir fragmentos de uma época, implacavelmente, tingida pela pátina do tempo; é perceber costumes e hábitos que tornaram-se obsoletos, mas o mais importante, é deparar-se com a delicadeza de sua obra e constatar que a mesma ainda permanece à flor da pele.
Como não amar Ana Cristina C.?

 
Ana Cristina Cesar

Ana Cristina Cesar

Abaixo, frases soltas de sua obra, reunida no livro “Poética”, lançado pela Companhia das Letras. Me perdoem, mas este é o meu jeito torto de ler poesia.

“Datilografei até sentir câimbras…”

“Me sinto em Marienbad, junto dele.”

“A melancólica sou eu, insisto, embora você desaprove sempre, sempre.
Aproveito para pedir outra opinião.”

“… mas não fui eu que pintei a galeria de preto, você sabe que eu não sou sinistra.”

“Oh baby, I wish I had some morphine to give you.”

“Beware: esta compaixão é paixão.”

“Agora irretocável prefiro ficar fora, só na capa do seu livro.”

“Não posso mais mentir. Corto meu jejum com dedos de prosa ao telefone, meu próprio fanatismo em ascensão: O silêncio, o exílio e a astúcia?”

“Para que a morte só seja
Um descanso calmo e doce
Um calmo e doce descanso.”

“Tenho ciúmes deste cigarro que você fuma
Tão distraidamente.”

“Vai-se o inútil salmo, o inútil amor
Em cada começo o fio e a agulha
Em cada som um nome só: fim.”

“Imagino como seria te amar:
desisto da ideia numa total volúpia
e recomeço a escrever
poemas.”

“Me lembro da rádio a mil dentro do carro,
e de uma saudade inata.”

“Te ligo interurbano, te digo:
separa,
separa já desta mulher!”

“Para que você faz das cartas telegramas – você pensa que as palavras custam caro?”

“Sou uma mulher do século XIX
disfarçada em século XX.”

“A mulher era um objeto que variava de preço mais que qualquer ação da Bolsa.”

“garganta ardendo, colubiazol a mão…”

“… saberias então que hoje, nesta noite, diante desta gente, não há ninguém que me interesse e meus versos são apenas para exatamente esta pessoa que deixou de vir…”

“Estas molas a gemer no quarto ao lado
Roberto Carlos a gemer nas curvas da Bahia…”

“Agora que você chegou não preciso mais me roubar. E como farei com os versos que escrevi?”

“Estou vivendo de hora em hora, com muito temor.
Um dia me safarei – aos poucos me safarei, começarei um safari.”

“Não é teu corpo.
É a possibilidade da sombra.”

“Nossa conversa amena;
nossa amizade
até o previsto e casto adeus;
o tempo se poupa;
nos economiza…”

“Queria parecer-me com ele…”

“O namorado se retira uma semana e produz catorze poemas de qualidade. Deixa publicados dois livros e parte para a Europa com um terceiro debaixo do braço…”

“…Me enchem de azias estas noites cheias de Eneida por ler. Esqueci de tomar o remédio, li os cabos e os rabos do Pasquim, já pensou uma filha nossa chamada, se chamando Eneida? meu Deus do céu, eu já estou falando em filha nossa!”

“A mesa não está mais posta. A artista resolve iniciar uma coleção de bulas.”

” … (ambas sentiram; é este o fato curioso, pode-se dizer que ambas sentiram simultaneamente, não por onisciência mas porque a situação o comprovou, o que nega a possibilidade de alucinação por parte de uma apenas, o que permitiria dizer com uma certa margem ilusória que na verdade tratava-se de alucinação de ambas)…”

“Eu invento tudo, absoluta. Me tranco e começo inventando…”

“-Enganei, o poeta falou, os leitores obtusos.
Sem comentários.”

Ana Cristina morreu pouco depois de ter lançado seu primeiro livro, “A teus pés”, por conta de uma depressão que a levou ao suicídio. Abaixo um dos poemas mais bonitos de Maiakovski, adaptado e musicado por Caetano Veloso, nas vozes de Abujamra e Gal Costa, que tão bem se aplica à Ana C.

Imagens: IMS

 

 

 

Um comentário em “Ana Cristina Cesar é a grande homenageada da Flip 2016

  1. “Tenho ciúmes deste cigarro que você fuma
    Tão distraidamente.”
    ameeeeeeeeeeeeeeeeei,poetica,cult,cool!!!
    Adorei!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha *